Antigos cinemas do Rio…

Hoje recebi por e-mail mais uma prova do quanto foi vilipendiado, sobretudo nos últimos 30 anos, o patrimônio histórico e cultural da cidade do Rio de Janeiro. Neste post, que é uma espécie de resumo do e-mail que recebi, vocês terão uma pequena demonstração (pequena mesmo) da beleza e do glamour de nossos antigos cinemas, muitos deles já demolidos. Certamente alguns dirão que os atuais shopping centers, onde hoje fica a maior parte dos cinemas, dispõem de uma série de outros serviços, como estacionamento amplo, segurança particular e praça de alimentação, o que não existia na época dos cinemas de rua.  Entretanto, se não fôssemos tão negligentes com a memória de nossa cidade, poderíamos ainda hoje nos deleitar com o clima parisiense que ostentava o Rio de Janeiro até meados do século XX. Basta clicar em cima das fotos para visualizar melhor os detalhes e facilitar a leitura dos textos. Sejam bem vindos a mais uma viagem pelos tempos de glória da finada capital da república.

capitolio-pathe-imperio

Ao fundo, o Palácio Monroe.

azteca

caruso

pax

rian

ritz

Anúncios

20 Respostas to “Antigos cinemas do Rio…”

  1. Eu não deveria declarar isso, mas ó Céus, me lembrou q eu ia na matinê do Pathé! Felizmente acho q é mais novinho q estes…fora o Roxy, e um na Figueredo q nem lembro o nome…vixe! Desculpe, me deixei levar, rs

  2. Putz! Fui perguntar pra minha mãe os cinemas q íamos…pra q??!! Ela lembrou de vários…Rian, Orion, Ricamar…nostalgia pura!

  3. Cinema de rua faz muita falta. Mas na última vez em que resolvi resgatar essa emoção lá no Leblon, terminei a noite com o vidro do carro quebrado por um gatuno qualquer.

  4. Realmente eram lindas obras, que poderiam ter sido restauradas e mantidas, acrescentando-se ainda um toque de modernidade nos serviços prestados e na área localizada, incrementando o comércio local com estacionamentos, restaurantes, bares, livrarias, entre outros. Poderiam ter pensado nisso antes de ir demolindo tudo, não é? A cidade ganharia muito…

  5. A violência da cidade obrigou a uma mudança de comportamento dos seus cidadãos. Se você quer ir ao cinema de rua hoje, principalmente no subúrbio, vai ter que assistir um pastor evangélico pregar. Todos viraram sede de igrejas evangélicas.

  6. Quando vi a foto do Azteca, me lembrei do filme “Dio como te amo”, com a Gingiola Cinqueti (acho que era assim que se escrevia o nome dela), cantora / atriz italiana. Também assisti a um filme em episódios, onde um dos episódios era com o ator Cláudio Cavalcanti, sumido da tv.

    Por falar em sumido, tá tudo sumindo, ou melhor, se “escondendo”: cinema de rua, loja de rua, praça sem grade, edifício sem grade. Tudo agora é shopping e condomínio. Que pena!

  7. É verdade esse é um Rio de Janeiro que já foi, foi embora.

  8. Pois é. Verdadeira obras de arte foram para o chão…

    Os shoppings de hoje são “funcionais” demais para investirem em tantos detalhes. Não sou contra, cada um tem o seu papel. Mas esses prédios deveriam ter sido tombados (…mas não na base do mareta 🙂 )

    Um abraço,

    http://www.ideiasdoganem.blogspot.com

  9. David,
    Eu cheguei a frequentar o Ryan, Roxy, Caruso, cine Leblon ( quando ainda era só uma sala!rs)e um pouco antes de me voltar para BH, ainda ia muito no Condor do Largo do Machado… Sou meio “antiguinha” , por isso os conheci(rs). Eram outros tempos, outra tranquilidade, muitas vezes a gente ia e voltava a pé mesmo, porque era perto de casa.
    E a perda maior foi essa que vc citou, a da nossa memória! Muito triste mesmo isso tudo!
    Bjs!

  10. Poxa, aqui na minha cidade (valença – rj) tinha um – um único – cinema, que fechou este ano.
    Antes cinemas de shopping sem glamour que cinema nenhum!
    É muito triste ver o que a “era do dvd” fez com as noites de sexta quando ir ao cinema com a turma era programa certo.

  11. David, apesar de ter ido muito para o Rio quando criança e no início da minha adolescência, não me lembro de ter conhecido esses cinemas. É uma pena nós não valorizarmos a nossa memória e história. Aqui em BH, cinemas antigos, salas maravilhosas também se perderem e alguns, transformaram-se em igrejas, aquelas do bispo Edir Macedo

    beijos

  12. Nossa! Eu não sabia que onde há o banco Itaú hoje, foi um dia, O cinema Caruso, não nasci no Rio, mas morei mais de 15 anos ali, e passava quase que diariamente em frente, pois estudava na ABACO, 995, da N. S. de Copacabana.
    Saudades…

  13. Oi, David,

    Recebi um email deste curso e te repasso, pois, pelo visto, você gosta de assuntos relacionados ao Rio Antigo. Aí vai.

    Abração,
    Vilma Goulart
    Blog INFORMAÇÃO DE PRIMEIRA
    http://www.informacaodeprimeira.blogspot.com
    ===========================

    MINICURSO: O RIO DE PEREIRA PASSOS – INSCRIÇÕES ABERTAS

    Pereira Passos foi o grande responsável pela disseminação do gosto francês no Rio de Janeiro início do século XX.

    Discípulo de Haussmann, acompanhou de perto as reformas urbanísticas implementadas em Paris no século XIX.

    Este mini-curso apresenta as principais transformações ocorridas no Rio de Janeiro a partir da abertura da Avenida Central e das demolições do casario português, tão característico da ex-colônia.

    02/12 – Minicurso: O Rio de Pereira Passos
    3ª feira das 19:00 às 21:00h
    Duração: 3 aulas
    Valor: parcela única de 100,00 até dia 24/11
    após essa data R$ 120,00

    Mais informações pelo telefone: 21 2220-5243
    ou no site http://www.imagemcultural.com.br

  14. chico de aguiar Says:

    lembro de vários. cinema 1, na Rua Prado Júnior, Cine Jóia, em Copacabana, Cine Hora, no Edifício Avenida Central, o Roma Bruni, o Pirajá, o Poeira, todos em Ipanema, além daquele onde funcionou a TV Excelsior, mais tarde virou Super Bruni 70, mas antes de tudo era um dos melhores de Ipanema. Lembro também do São Luix, no Largo do Machado, aqueles da Praia do Flamengo, Scala e Coral, o Ópera, o Veneza. Parei, que saudade do meu Rio querido. Chico de Aguiar.

  15. Tenho muitas saudades dos cinemas de rua, assisti muitos filmes quando criança mas hoje infelizmente praticamente não existem mais.Alguém saberia me dizer os nomes dos cinemas dos bairros do grajáu e piedade??
    Um abraço a todos que assim como eu sentem saudades dos cinemas de rua.

  16. Caros amigos:
    Hoje, dia 16.nov.09, passando pela Av. Marechal Floriano, no Centro, me deparei com uma fachada onde está escrito: Cine Floriano. Não tenho qualquer informação sobre a existência deste cinema. Agradeço se alguem tiver algo a relatar.
    Obrigado
    MMiranda

  17. Apenas para informar que, atualmente, no primeiro piso da construção do Cine Floriano, funciona um estacionamento, onde, anteriormente, ficava a pláteia.
    Mmiranda

  18. E uma tristeza e crime ver estas obras de arquiteturas destruidas, para dar lugar edificios feios e sem lazer nenhum, cada bairro devia ter um comissao de arquitetos moradores do local para determinar,, se devia ou nao ser demolido e se aprovaria o novo projeto para o local.

  19. S A L U T

  20. Luiz Henriques Neto Says:

    Certo, e os moradores iriam vetar qualquer demolição a não ser quando uma construtora lhes oferecesse uma grana preta por seu imóvel, aí eles mudariam de ideia, como tem acontecido em APAs no Leblon. Esses cinemas fecharam quase todos porque ninguém mais ia a cinemas de rua. As pessoas mudaram seus hábitos, passaram a preferir shoppings e cinemas de shoppings – fazer o quê? Qual foi a última vez que alugém aqui foi aos últimos grandes que fecharam, o Palácio e o Paissandu? Eu ainda ia muito a este último, estava sempre às moscas, uma sala enorme.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: