Linha vermelha ¹

 

Seis da tarde

Trânsito intransitável

Vidros suspensos

Ambulantes em frenesi

Meninos malabaristas

Na corda-bamba

Ruídos entrecortados

Últimas notícias…

Um homem fora do carro

Olhares curiosos

O tempo inesgotável

Jornal de amanhã

Tumulto no acostamento

A mureta encurralante

Um cortejo estacionado

Sobre a via-funeral

Estampidos, pânico

A orquestra do medo dissimula

Famílias em alvoroço

Burburinho, desatino

A manobra por uma vida

Desconcertada…

Um corpo atravessado

Sirenes em errância

A alma devassada

Por uma linha vermelha

De sangue.

 

____________________ 

1 – A RJ-071, oficialmente denominada Via Expressa Presidente João Goulart e popularmente conhecida como Linha Vermelha é uma via expressa do estado do Rio de Janeiro, que liga os municípios do Rio de Janeiro e São João de Meriti, atravessando também o município de Duque de Caxias.

Por atravessar diversas áreas carentes, é atualmente conhecida pelos freqüentes atos de violência que ocorrem em seu entorno, visto ser margeada por aproximadamente 18 favelas, todas repletas de atividade criminosa do tráfico de drogas.

Anúncios

8 Respostas to “Linha vermelha ¹”

  1. Sabe o que me lembrou o seu texto? Textos como o circuito fechado (de Ricardo Ramos. Eu acho..rs), mas a dinâmica em versos que difere do casos ao qual comparei, traz-me a memória os versos de Sinal Fechado, do Paulinho da Viola. Olha, ficou genial o jogo de palavras sobre frases curtas compondo a idéia geral como uma harmônica colcha de retalhos.
    Eu fiz mestrado e doutorado no fundo e quando li “Linha vermelha” lembrei de alguns episódios que vivi por ali nada agradáveis. Sua s palavras são da “cor” e da “textura” do que descrevem.
    Parabéns!
    Ficou muito bom o texto.
    Abraços

    Marcelo

  2. Quando li o texto fiquei pensando o de sempre quando chego ao Rio pelo Galeão. Qual é a imagem que fica para os turistas quando chegam desejosos para ver a cidade maravilhosa? É, porque dali do aeroporto até chegar mais próximo das maravilhas da cidade, além de não ser bonito, o risco de assalto é enorme… Uma pena, uma pena mesmo que esteja tudo assim por aí…

    beijo

  3. Leonardo Dognani Says:

    gostei do texto, se eu trabalhasse com isso, daria um ótimo curta inspirado no texto^^
    Realmente, linha vermelha ninguém merece!!!
    >.<

    abraços.

  4. Ai ai…ao ler o post,relembro minhas viagens ao Rio…e o medo de passar por esse trecho…

    Sseus posts são excelentes,é sempre um prazer refletir com suas palavras.

    David,desejo que 2009 seja,pra ti,um lindo presente,e venha embrulhado em saúde,paz e muitas alegrias!

    beijo.

  5. Triste realidade, rapaz. Infelizmente o vermelho-sangue está tingindo nosso azul, cruzando a cidade como a própria linha vermelha e jorrando também para outros lugares…

  6. Engraçado, eu também já usei o sangue como metáfora para o vermelho em um poema, mas nao tinha nada a ver com a linha vermelha.. rs

    Esse assunto agora é recorrente, náo é? Uma pena…

  7. Até arrastão vira poesia na pena desse menino.

  8. O que eu mais gostei (sem demérito ao poema, por favor!) foi a nota de rodapé. Fiquei impressionado com a riqueza de detalhes!

    Já o poema me remeteu ao tempo em que eu ainda morava com a mamãe. Não faltou nada!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: